1 de jul de 2016

Pulei de bungee jump

Eu tenho uma lista de 30 coisas para fazer antes dos 30 anos. Provavelmente eu ainda vou fazer um post sobre todos os itens, ou sobre como eu gosto bastante de listas, mas não é disso que vou falar hoje. O que vou falar hoje é sobre um dos elementos da lista que foi riscado, que era: fazer um esporte radical.

Eu nunca fui exatamente uma pessoa de nervos de aço, uma pessoa que assiste ao canal Off, uma pessoa que encara o perigo de frente. Não por medo, mas simplesmente por não ser dessa ~tribo~. Enfim. Resolvi que para completar 30 anos com aquela sensação de dever cumprido eu deveria, sim, me arriscar em alguma coisa HARDCORE. E ao invés de escolher um rapelzinho ou uma boa e velha corrida de kart, resolvi, para desespero da minha família, que pularia de bungee jump.

Medos da minha mãe sobre o meu pulo de bungee jump: que minha retina descolasse dos olhos, que minhas próteses de silicone saíssem do lugar e que o elástico esticasse tanto a ponto de eu bater minha cabeça no chão. A possibilidade de o elástico arrebentar não foi considerada pela minha mãe - mas meu pai pensou nisso o dia inteiro.

Foi em uma viagem com a Trip Tri (que tem sido a minha empresa favorita dos últimos tempos) que eu vi a oportunidade de riscar esse item da minha lista: um pequeno passeio de domingo com destino a Nova Roma, cidade do Rio Grande do Sul que fica próxima de Farroupilha. Lá fica a Cia Aventura - Eco Parque, que conta com uma beleza natural de cair o queixo - morros verdes, cachoeira, etc - e a possibilidade de fazer diferentes atividades, de paintball e tirolesa até rafting e pêndulo.

Logo que cheguei ao parque, fui direto para a plataforma de salto - antes que fosse mudar de ideia. Podiam ir três pessoas de cada vez na partezinha de onde a galera pula, e lá estava eu. Quando me dei conta, já estava usando capacete e os equipamentos, já tinha assinado um termo de responsabilidade e tremia tanto que mal conseguia parar em pé. Foi aí que pensei “o que diabos eu estou fazendo?”. Para me tranquilizar, perguntei ao coordenador que estava lá:

- Tu já pulou nisso?
- EU não, tá louca? Pular 65 metros de cabeça?

Mas ele estava brincando e já tinha pulado sim. Uma vez só.

Então pulou uma menina, depois um menino. Tinha chegado a minha vez. Preciso confessar que eu nunca, NUNCA tinha sentido tanto medo na minha vida. Nem antes de colocar os peitos, nem quando andei de avião pela primeira vez. Só de lembrar daquele momento me dá um frio na espinha.

O cara prendeu em mim o elástico. Eu parei na ponta da plataforma, o cara avisou que ia soltar o elástico e que eu ia sentir um puxão. Ele soltou o elástico, eu senti um puxão e foi horrível. Então tive que me segurar em duas alças, já com a ponta dos pés para o lado de fora da plataforma. O cara ficou me segurando pela parte de trás da roupinha. Ele disse pra eu soltar uma mão. Soltei. Ele disse pra eu soltar a outra. Eu disse que estava com muito medo. Ele disse pra eu ficar tranquila e soltar. Soltei. Então era eu, de braços abertos pro nada. A orientação era que eu só me jogasse de cabeça. Eu não consegui. Então o cara me deu um empurrãozinho e eu fui.

Você não sabe o real significado de CAIR até que você se dá conta que está caindo de uma altura de 65 metros de altura em queda livre. A sensação de impotência, de “senhor, não tem onde segurar”, é única, é louca, é uma coisa que eu ainda não resolvi se é ruim ou bom - ando pendendo mais para o ruim ultimamente. E de repente o elástico estica, mas eu não senti aquele “tranco” que parece que rola quando se olha vídeos. Eu só percebi que agora estava balançando e girando de um lado pro outro, sem controle nenhum sobre os meus movimentos. Nessa hora eu gritei, não sei se por êxtase ou por horror. E então os movimentos mais bruscos pararam e eu me dei conta que estava pendurada de cabeça pra baixo, girando feito um peão da casa própria.

Lá do alto ouvi o cara gritando que estava descendo o trocinho que ia me puxar de volta. Como eu estava girando feito uma imbecil, tive dificuldade para pegar o negócio, mas enfim consegui. Ele tem uma trava que eu devia prender no look que estava usando. O cara lá do alto falava “te concentra, presta atenção no que tu tá fazendo!”. Prestei atenção, prendi o negócio, verifiquei se estava firme e, enfim, abri os braços para ser trazida de volta para a terra firme, para longe dessa loucura que eu ainda não tinha entendido por que tinha feito.

Minhas primeiras palavras ao pisar na plataforma: EU NUNCA MAIS VOU FAZER ISSO.

Dá pra ver tudo nesse vídeo aqui:




Mais tarde telefonei pra minha mãe e disse que já tinha pulado e que meus olhos e meus silicones estavam no lugar. O alívio na voz dela foi até cômico.

Além do pulo, naquele dia que também fiz tirolesa, que era mamão com açúcar depois da dose alta de radicalidade que eu já tinha enfrentado. Era um circuito com três “deslizadas”, se é que posso chamar assim. O visual é incrível e eu fiquei abanando pras pessoas que estavam lá no chão.



O passeio lá no parque é bem legal, mesmo pra quem não quer fazer bungee jump. Fora as atividades mais suaves, eles ainda tem um almoço bem bom, com galetinho, massa, polenta, etc (paga um valor fixo e depois come open food e open suco/refrigerante), tem quiosque com lanches, tem altas sombras pra descansar e tem um tucano que sobe no braço nas pessoas. <3 span="">



Depois disso tudo eu fiquei bem bela tomando cerveja enquanto o pessoal fazia outras atividades, porque pra mim a missão do dia já havia sido cumprida. Item riscado. Que venham os próximos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro comentários! Vamos conversar?